Algas podem combater até 90% das células cancerígenas

Espalhe a notícia...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Cientistas conseguiram programar células de algas por meio da engenharia genética para que estas matem mais de 90% das células cancerígenas, em laboratório, livrando as saudáveis de efeitos colaterais. O tratamento está sendo testado em organismos vivos – ratos – e não apresenta, até o momento, nenhum dano colateral.

 

A pesquisa é baseada em nanopartículas para “entregar” as drogas aos pacientes, e a forma eficiente encontrada foi utilizar partículas porosas de sílicas dentro do corpo para atacar as células do tumor. Todavia, produzir este tipo de nanopartículas é caro e requer produtos químicos perigosos, como o ácido hidrofluorídrico.

A equipe australiana e alemã que coordenou o projeto conseguiu modificar geneticamente algumas diatomáceas (tipos de algas) que conseguem sintetizar essa nanopartícula.

As diatomáceas compreendem um grande grupo de algas microscópicas unicelulares cuja parede celular é composta de sílica. Estas algas tem apenas de quatro a seis micrômetros de diâmetro, sendo mais de dez vezes menor do que a largura de um cabelo humano.

 

“Por meio da engenharia genética nessas diatomáceas – pequenas, unicelulares e fotossintetizantes – somos capazes de produzir uma proteína na superfície da “casca” dessa alga.” Afirma Nico Voelcker, que é expert em nanomedicina e primeiro autor do trabalho, que foi publicado na Nature Communications.

A biossílica da diatomácea atende aos critérios exigidos pela pesquisa, e necessita apenas de água e luz para crescer. Escolhendo o certo anticorpo, as nanopartículas podem ser direcionadas diretamente às células cancerígenas apenas.

A equipe “recheou” as diatomáceas com medicamentos e testaram a nanopartícula de sílica produzida por ela, em uma célula cancerígena.

As algas não apenas mataram 90% de todas as células cancerígenas in vitro, como também reduziram o crescimento do tumor em ratos, com apenas uma dose injetada.

Além disso, os ratos não apresentaram nenhum dano colateral esperado em uma quimioterapia, como a perda de pelos por exemplo, e foi analisado que a diatomácea foi degradada naturalmente pelo organismo do rato sem deixar nenhum dano.

A equipe de pesquisadores acredita que essa técnica apresente um grande potencial para a nanomedicina.

 

Deixe uma resposta