Cientistas sequenciam o genoma do Tardígrado e descobrem mais DNA exógeno do que em qualquer outro animal

Cientistas sequenciam o genoma do Tardígrado e descobrem mais DNA exógeno do que em qualquer outro animal

Espalhe a notícia...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

 

O Tardígrado é uma criatura microscópica, aquática, alcançando uma média de 1mm e é o único animal que pode sobreviver no espaço sem auxílio tecnológico. Além disso, esse ser consegue suportar temperaturas de abaixo de zero até muito mais do ponto de ebulição da água. Ele também pode viver com quantidades absurdas de pressão e radiação, e suportar mais de 10 anos sem comida ou água. Basicamente, é quase imortal, e, agora, a ciência vem apresentando dados de que seu DNA é tão bizarro como ela é.

Um grupo de pesquisadores sequenciou completamente o genoma do Tardígrado, conhecido como urso d’água. Segundo o trabalho, esta pequena criatura apresenta mais genes estrangeiros do que qualquer outro animal estudado até hoje (um sexto do genoma do Tardígrado foi “roubado” de outras espécies).

Ok, DNA exógeno, mas o que isso significa? Bom, isso significa que esse animal sofreu um processo conhecido como transferência horizontal de genes, onde genes de um outro organismo são passados para o receptor sem a necessidade de reprodução. Esse tipo de transferência ocorre em praticamente todos os seres vivos, inclusive nos humanos, porém, por intermédio de certos vírus.

Até o presente momento, acreditava-se que os rotíferos (criaturas microscópicas) seriam as que dotavam a maior porcentagem de genes estranhos de qualquer animal, com cerca de 8 ou 9% de todo o seu DNA sendo exógeno.

Agora, cientistas encontraram que cerca de 6 mil genes do Tardígrado são exógenos, ou seja, cerca de 17,5% de todo seu genoma.


“Não tínhamos idéia de que um genoma animal poderia ser composto de tanto DNA estranho”, disse o co-autor Bob Goldstein, da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. “Nós sabíamos que muitos animais adquirem genes estranhos, mas não tínhamos ideia do que acontece a esse grau.”

De acordo com o artigo, o Tardígrado recebeu esses materiais genéticos de plantas, fungos, bacterias e arqueobacterias. Essa variedade incrível de genes pode ter propiciado essa sobrevivência em condições extremas.


“Os animais que podem sobreviver tensões extremas podem ser particularmente propensos a adquirir genes estranhos – e genes de bactérias podem ser mais capazes de resistir aos esforços do que os animais”, disse um dos pesquisadores, Thomas Boothby.

A equipe não investigou exatamente como esse roubo de genes está acontecendo ainda, mas eles propõem que é um resultado de um dos outros mecanismos de sobrevivência do Tardigrado – a capacidade de secar até o seu corpo até menos de 3 por cento de água, e em seguida, se recuperar quando reidratado.

Quando isso acontece, os cientistas sabem que o seu DNA se rompe em pedaços minúsculos. Eles também sabem que, quando suas células reidratam, há um momento em que o núcleo da célula é permeável, permitindo que o DNA e outras moléculas passem. Isso significa que, enquanto o tardigrado consegue rapidamente remendar seu próprio genoma, acidentalmente ele pode “costurar” genes de outros organismos junto.

Este seria um processo aleatório, mas os genes que são passados para baixo seriam aqueles que ajudam esse animal a sobreviver. Uma pesquisa adicional precisa agora ser feita em exatamente como tardígrados estão obtendo este DNA estranho, e quantas vezes está acontecendo. Mas o que é realmente animador é que ele fornece uma nova visão sobre exatamente como a vida evolui.

“Nós pensamos da árvore da vida, com material genético que passa verticalmente de mãe e pai. Mas com a transferência horizontal de genes se tornando mais amplamente aceita e mais bem conhecido, pelo menos em certos organismos, ele está começando a mudar a forma como pensamos sobre a evolução e herança de material genético “, disse Boothby. “Em vez de pensar na árvore da vida, podemos pensar sobre a teia da vida e cruzamento de material genético de galho em galho … é emocionante. Estamos começando a ajustar a nossa compreensão de como a evolução funciona. ”

A pesquisa, que foi publicada na revista PNAS, também pode fornecer alguns insights sobre genes úteis que nós poderíamos usar em medicina e desenvolvimento de medicamentos. Então viva o urso água, em toda a sua estranheza.

About author

Leave a reply

You must be logged in to post a comment.