Pesquisadores criam “pele artificial” que muda de cor como camaleão

Espalhe a notícia...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Pegando emprestado um truque da natureza, engenheiros da Universidade da Califórnia em Berkeley, criaram um material incrivelmente fino que pode mudar de cor – quando solicitado – simplesmente aplicando uma pequena quantidade de força. Este novo material de muitas cores oferece possibilidades intrigantes para uma classe inteiramente nova de tecnologias de visualização, camuflagem, e sensores que podem detectar defeitos de outra forma imperceptíveis em edifícios, pontes e aviões. “Esta é a primeira vez que alguém fez uma pele sintética tão flexível que possa mudar de cor simplesmente aplicando pressão”, afirma Connie J. Chang-Hasnain, um membro da equipe de Berkeley e co-autor de um artigo publicado hoje na Optica, A nova revista de alto impacto da Optical Society (OSA). Por meio de pequenas gravuras na superfície do material (menores do que o comprimento de uma onda da luz), e uma película de silício mil vezes mais fina que um fio de cabelo humano, os pesquisadores foram capazes de selecionar a gama de cores que o material deve refletir, dependendo de como ele foi flexionado e dobrado. As cores que costuma-se ver em tintas, tecidos e outras substâncias naturais ocorrem em um largo espectro de luz que atinge sua superfície. A composição química única de cada superfície em seguida absorve várias faixas, ou comprimentos da onda de luz. Aqueles que não são absorvidos são refletidos de volta, os que possuem comprimentos de onda mais curtos dão aos objetos uma tonalidade azul e comprimentos de onda mais longos aparecem mais avermelhados e todo o arco-íris de combinações é possível entre os dois.

Leia mais em: http://ciencia.me/P5X

Deixe uma resposta