Seremos cyborgs em 200 anos?

Espalhe a notícia...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Um historiador da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, afirma: em 200 anos o Homo sapiens terá partes não-orgânicas em seu corpo.

Para muitos, parece uma grande bobagem, mas se pensarmos bem, é bem provável. “Eu acho que é provável nos próximos 200 anos ou assim Homo sapiens irá atualizar-se em uma idéia de um ser divino, seja através da manipulação biológica ou a engenharia genética de por a criação de ciborgues: parte orgânica, parte não-orgânico”, diz Yuval Harari Noah.

Obviamente, devemos tomar as previsões de Harari com um grão de sal, mas enquanto elas soam mais adequado para ficção científica do que a vida real, devemos apenas acreditar que isso será usado da forma certa. Muitos pesquisadores acreditam que nós já começamos a trilhar um caminho para um futuro ciborgue; Afinal de contas, muitos de nós já contam com orelhas e olhos biônicos, tecnologia da bomba de insulina e próteses para nos ajudar a sobreviver. E os pesquisadores recentemente aprenderam a enviar os pensamentos das pessoas em toda a web, fazer o subconsciente controlar membros biônicos e usar metal líquido para curar nervos cortados, não é difícil imaginar como poderíamos continuar a usar a tecnologia para complementar nossos corpos humanos vulneráveis ​​ainda mais.

Curiosamente, os comentários de Harare vieram apenas alguns dias após a neurocientista britânica Hannah Critchlow da Universidade de Cambridge vir à internet dizendo que poderia ser possível fazer upload de nossos cérebros em computadores, se pudéssemos construir computadores com 100 trilhões de conexões. “As pessoas provavelmente poderiam viver dentro de uma máquina. Potencialmente, eu acho que é definitivamente uma possibilidade “, disse Critchlow durante sua apresentação no Festival de Hay.

De qualquer forma, uma coisa parece bastante clara – o nosso futuro como uma espécie, agora está intimamente ligado com a tecnologia que nós criamos. Para melhor ou para pior.

Deixe uma resposta