Pesquisadores descobrem primeiro exemplo de reprodução em um organismo complexo

Espalhe a notícia...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email

Há 565 milhões anos atrás, uma criatura muito curiosa viveu profundamente no fundo do oceano. Com a forma oval com extremidades pontiagudas, coberto de estruturas ramificadas e faltava uma boca ou estruturas para a alimentação, este era o maior animal vivo no momento. Muito pouco se sabe sobre a criatura Fractofusus, mas agora pesquisadores da Universidade de Cambridge descobriram o exemplo mais antigo de reprodução no organismo complexo.

“As agregações – ou clusters – que encontramos [de Fractofusus] mostraram que eles se reproduziam e não foram formados a partir de processos ambientais”, explicou o Dr. Emily Mitchell, que liderou o estudo publicado na revista Nature, a IFLScience. “Além disso, descobrimos que os tamanhos de clusters eram suficientemente pequenos, que não poderia ter sido formado como resultado do Fractofusus lançando sementes ou partículas na coluna de água, por isso sabíamos que os clusters tinham se formado em um processo diferente. O único processo que poderia ser utiliza estolões ou “corredores”, como encontrados em plantas de morango “.

Os pesquisadores analisaram três grandes estratos no Canadá, que originalmente faziam parte do fundo do oceano em torno de Newfoundland e continham milhares de Fractofusus fossilizados. Traçaram a posição de cada um dos animais presentes e, quando possível, o tamanho das criaturas. A partir disso correu uma análise de como os fósseis relacionavam-se entre si espacialmente e como suas densidades variavam através das planícies.

Porque os animais estavam imóveis, isso significa que eles não poderiam ter apenas aparecido em suas posições atuais, e assim sua distribuição deve estar relacionado à forma como eles se reproduziam (de modo semelhante como acontece com árvores). Curiosamente, eles observaram grandes animais individuais rodeados por médios, que eram, por sua vez, cercados por indivíduos menores.

Isso mostrou que os fósseis não eram distribuídos aleatoriamente, mas sim formando grupos muito distintos. “Pequenos fósseis aglomerados ao redor dos médios e os médios em torno dos grandes”, afirmou Mitchell. Por não terem se espalhado aleatoriamente, a distribuição deve ter sido formada através de processos reprodutivos, argumentaram os pesquisadores.

Deixe uma resposta